Laboro apoia Associação de Deficientes Visuais em feira internacional

acessibilidade1

Acontece entre os dias 09 e 12 de abril de 2015 a 14º REATECH (Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade), maior feira da América Latina voltada às pessoas com deficiência (PcD), no São Paulo Expo Exhibition & Convention Center.

Paralelo a REATECH acontecerá o REASEM (Seminário de Tecnologias de Reabilitação e Inclusão), que trará uma intensa programação de palestras, debates e seminários com renomados especialistas. Os eventos serão gratuitos e abertos ao público.

Os eventos têm como objetivo mostrar inovações em soluções de produtos, equipamentos e serviços, refletindo na melhoria da qualidade de vida e integração da sociedade e ao trabalho das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Apoio

A Faculdade Laboro está apoiando a participação do presidente da ASDEVIMA (Associação de Deficientes Visuais do Maranhão), Jackson Bulhões, no evento. As instituições já têm convênio para desenvolvimento de projetos e atividades específicas voltadas para deficientes visuais.

Durante o evento, Jackson Bulhões apresentará dois projetos que minimizarão as dificuldades de locomoção encaradas pelos cegos no cotidiano: uma bengala e uma bicicleta que utilizam sensores para identificar obstáculos no caminho.

Segundo a Diretora Geral da Faculdade Laboro a Profª. Drª. Sueli Tonial é importante que a instituição de ensino cumpra o seu papel de inclusão social apoiando e estimulando os alunos no exercício da cidadania plena e responsável com a sociedade.

Bicicleta e bengala adaptadas para cegos

A bicicleta, que funciona com dispositivos de sinalização adaptados à estrutura, detecta os obstáculos no caminho emitindo sinais sonoros para alertar as barreiras. Quatro sensores localizados nas partes dianteira, traseira e laterais auxiliam na condução.

Já a bengala, com o mesmo sensor ultrassônico fixado na vareta, ajuda a localizar obstáculos verticais acima da cintura da pessoa com deficiência visual, tais como orelhões, carrocerias de caminhões, bancos de praça e mesas. A diferença é que ao invés de som, a bengala, ao localizar o empecilho, emite vibrações para o condutor e pode ser usada no dia-a-dia da pessoa com deficiência.

Dados

Dados do último censo do IBGE apontam que o Brasil possui 46 milhões de pessoas com deficiência, o que corresponde a 24% da população. A deficiência visual é que atinge a maior parte da população (19%), seguida da motora (7%), auditiva (5%) e mental (1,4%).

Com informações da Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade e Imirante.com. 

Fotos: Anderson França / Imirante.com.